segunda-feira, 2 de abril de 2012

Lenço - Poesia Crioula

Lenço
Entre as relíquias sagradas
que guardo com devoção
no baú do coração
- velho museu do passado -
está este lenço encarnado
do qual tanto me ufano...
Rebelde como o Minuano
no simbolismo que encerra,
velho estandarte de guerra,
rubro pedaço de pano!

De raça de centauros
encarnas a valentia
e a indomável rebeldia
de seus ímpetos de brio!
Atrevido desafio
jogado às iniquidades,
no decorrer das idades,
foste um protesto solene,
suspenso, altivo e perene
no mastro da Liberdade!

Fonte: Galponeiras; Guilherme Schultz Filho

Nenhum comentário:

Postar um comentário