sábado, 25 de março de 2017

Poema - Filiação - Tempo e Eternidade - Murilo Mendes - Imagem - Cristo Redentor - Rio de Janeiro - Brasil

Filiação

Eu sou da raça do Eterno
Fui criado no princípio
E desdobrado em muitas gerações
Através do espaço e do tempo.
Sinto-me acima das bandeiras,
Tropeçando em cabeças de chefes.
Caminho no mar, na terra e no ar.
Eu sou da raça do Eterno,
Do amor que unirá todos os homens:
Vinde a mim, órfãos da poesia,
Choremos sobre o mundo mutilado.

Murilo Mendes

Fonte:

Língua e Literatura - Faraco & Moura

Imagem:

Cristo Redentor - Rio de Janeiro - 2017/março

Foto: Leila Marina

Ver:

Moacyr Scliar 

Canguçu em Cores:
  • Pedras Sensitivas
  • Onde está a Felicidade?
Canguçu em Cores II:
  • A Síndrome do Ninho Vazio


Um comentário: