quarta-feira, 23 de novembro de 2016

Orações - Casimiro de Abreu - Rio - 1858 - Imagem - Canguçu - RS - Brasil

Orações

A alma, como o incenso, ao céu s'eleva
Da férvida oração nas azas puras,
E Deus recebe como um longo hosana
O cântico de amor das creaturas.

Do trono d'ouro que circundam anjos
Sorrindo ao mundo a Virge-Mãe s'inclina
Ouvindo as vozes d'inocência bela
Dos lábios virginais d'uma menina.

Da tarde morta o murmurar se cala
Ante a prece infantil, que sóbe e vôa
Fresca e serena qual perfume doce
Das frescas roas de gentil corôa.

As doces falas de tua alma santa
Valem mais do que eu valho, oh! querubim!
Quando resares por teu mano, " noite,
Não t'esqueças também - resa por mim.

Casimiro de Abreu

Rio - 1858

Fonte: 

As Primaveras - Casimiro de Abreu
Inclusive as Poesias Inéditas - Edições e Publicações Brasil - São Paulo

Imagem: Tarde Morta - Canguçu, RS, Brasil

Foto: Loila Teresinha Cunha de Matos


Lembretes:
  • Ortografia empregada no livro... 1858
  • Ler o Livro!
  • Ofertar Livros!
Ver:

Oração de Fé  - Autor?
http://cangucuemcores.blogspot.com.br/2011/06/oracao-de-fe.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário