sábado, 5 de julho de 2014

A Visita - António Gomes Leal

Ontem dormia à noite - e, eis que desperto
Sacudido d'um vento agudo e forte,
Como um homem tocado pela Morte,
Ou varrido d"um vento do deserto,

Acordei - era Deus, que de mim perto,
Me dizia: " Alma cética e sem norte!
É preciso que creias e te importe
Adorar o Deus Uno, Eterno, e Certo!

É preciso que a fé cresça em tua alma
Como no inútil saibro a verde, palma,
Verme! filho da Dúvida - Eis-me aqui!

Eu sou a Espada, o Antigo, o Onipotente!
Crê barro vil! !" - Mas eu, descortesmente,
Voltei-me do outro lado e adormeci."

Fonte:
http://leiovejoeescuto.blogspot.com.br/ - Belíssimas Poesias
Imagem: Noite em Canguçu, RS, Brasil
Foto: Loila
Ver:
http://www.citador.pt/poemas/a-visita-antonio-gomes-leal
http://pt.wikipedia.org/wiki/Ant%C3%B3nio_Gomes_Leal
Universo Paralelo - Poesia
http://cangucuemcores.blogspot.com.br/2010/07/universo-paralelo.html


Nenhum comentário:

Postar um comentário