sábado, 18 de maio de 2013

Jesus, o Viajante - Gibran Khalil Gibran - Imagem - Canguçu - RS - Brasil

     Dizem que Ele era vulgar, o rebento ordinário de uma semente ordinária, um homem rústico e violento.
     Dizem que só o vento penteava Seus cabelos e só a chuva assentava Suas roupas ao Seus corpo.
     Consideram-No louco, e atribuem Suas palavras a demônios.
   Entretanto, vede, o Homem desprezado lançou um desafio, e o som desse desafio nunca se extinguirá.
     Cantou uma canção, e ninguém deterá essa melodia. Ela pairará sobre as gerações e se erguerá de esfera a esfera, lembrando os lábios que lhe deram nascimento e os ouvidos que lhe serviram de berço.
     Ele era um forasteiro. Sim, era um forasteiro, um peregrino em Seu caminho para um santuário, um visitante que bateu a nossa porta, um hóspede vindo de uma terra distante.

     E porque não encontrou um hospedeiro cortês, voltou para Seu próprio lugar. 

Fonte:

Jesus o Filho do Homem - Gibran Khalil Gibran
Tradução e Apresentação - Mansour Challita

Imagem: Panorama Especial - Canguçu, RS, Brasil
Foto: Loila

Ver:

Poesia
Peregrino Loila Matos em:
http://cangucuemcores.blogspot.com.br/2009/03/peregrino-trilhas-muitas-trilhas-tens.html

Do trabalho - Gibran - Canguçu em Cores II
http://cangucuemcoresii.blogspot.com.br/2011/12/o-trabalho-gibran.html

Da Religião - Gibran - Canguçu em Cores II
http://cangucuemcoresii.blogspot.com.br/2011/12/da-religiao-gibran.html

Dos Filhos - Gibran - Canguçu em Cores II
http://cangucuemcoresii.blogspot.com.br/2011/12/dos-filhos-gibran.html

A Beleza - Gibran:
http://cangucuemcores.blogspot.com.br/2011/10/beleza-khalil-gibran.html

Haikai - Canguçu em Cores II
http://cangucuemcoresii.blogspot.com.br/2013/05/um-aconchego-haikai.html


Nenhum comentário:

Postar um comentário